Tamanho do texto

"Assassin's Creed: Brotherhood" é a 2ª parte da trilogia de Ezio Auditore

A segunda parte da trilogia de Ezio Auditore
Reprodução/Youtube
A segunda parte da trilogia de Ezio Auditore

“Assassin's Creed: Brotherhood” é o terceiro da franquia “Assassin's Creed”, desenvolvido pela Ubisoft e lançado em Novembro e Dezembro de 2010 para PlayStation 3 e Xbox 360 , e em Março e Junho de 2011 para Microsoft Windows. É o primeiro jogo da série a apresentar o modo multiplayer. É também um dos mais rápidos da franquia, podendo ser concluído em poucas horas. Porém, segundo os fãs do jogo, não deve ser ignorado, pois é fundamental para o desenvolvimento da trama de Ezio Auditore e apresenta uma série de eventos importantes para a vida de Desmond Miles e seus antecessores.

+ Microsoft afirma que nem todos os jogos de Xbox 360 funcionarão com o Xbox One

Jogabilidade e Enredo

" Assassin's Creed: Brotherhood " começa exatamente onde termina “Assassin’s Creed II”, após uma conversa entre Ezio Auditore da Firenze e Minerva. É considerado pelos fãs o segundo capítulo da trilogia de Ezio, mas não ainda “Assassin’s Creed III”. Trata-se de um novo capítulo que expande a história do assassino e agora o introduz como um verdadeiro mestre da lendária Ordem dos Assassinos, tendo recebido o cargo de Maquiavel.

Após deixar o inimigo escapar, Ezio passa um tempo de descanso Monteriggioni, quando os Borgia atacam sem nenhum aviso. Mais experiente que no jogo anterior da franquia, o assassino agora comanda um contra-ataque contra um exército da Ordem dos Templários, mas se depara com o mortal Cesar Borgia, que assassina seu tio Mario em sua frente. Partindo após deixar Monteriggioni destruída e com feridas que demoram a sarar.

Assassin's Creed Brotherhood
Reprodução/Youtube
Assassin's Creed Brotherhood

Então, a nova aventura ruma para seu cenário principal, Roma, na Itália. No jogo, a cidade é dividida em 12 distritos, todo comandados por torres dos Borgia. Agora, como chefe da Ordem dos Assassinos, ele tem como aliados um exército de inteiro de soldados, que farão de tudo para protegê-lo e também em missões especiais. Com isto entra um novo sistema de jogo, onde é possível recrutar assassinos e comandá-los em tempo real durante os combates.

Novos personagens secundários aparecem, seja pelo lado dos aliados de Ezio, ou pelo lado dos inimigos. Os principais nomes da família Borgia possuem papel importante na história, principalmente Cesar, que é o maior inimigo (popularmente, o “chefão”) e a principal ameaça neste capítulo, e também a bela Lucrécia Borgia.

+ Novo Tomb Raider já tem previsão para chegar ao PlayStation 4

O jogador terá que reconstruir Roma, que está caindo em ruínas graças ao governo corrupto dos Templários sobre os estados Papais, concentrando o poder no Vaticano. Assim como no jogo anterior da franquia, Ezio terá a capacidade de investir na cidade para ganhar prêmios e forçar uma revolução, que contará agora com a ajuda do povo. O jogador terá que conquistar e destruir as 12 torres do exército Borgia, na cidade de Roma, com o intuito de liberar regiões da cidade do domínio da família. Completando esses objetivos, são liberadas novas missões e oportunidades. Roma é a maior cidade já criada na série, com cerca de três vezes o tamanho de Florença de Assassin's Creed II e inclui cinco distritos variados: Vaticano, Downtown, Tiber, Country and Antique.

O modo de combate foi reformulado para ser mais rápido e dinâmico. Ataques furtivos e ações ofensivas são mais mortais em Brotherhood do que nos primeiros jogos, onde o contra-ataque parecia ser mais eficiente. A inteligência artificial se tornou mais agressiva, podendo ocorrer ataques simultâneos. Para matá-los, Ezio pode utilizar armas de longo e curto alcance ao mesmo tempo, introduzindo a pistola ao combate corpo a corpo. O protagonista pode também jogar machados e outras armas aos seus inimigos. Novos arquétipos foram adicionados em relação a Assassin's Creed II, como os Guardas Papais, por exemplo. Novas técnicas mais letais de execução foram somadas as outras mais antigas, onde Ezio pode, por exemplo, atirar sua pistola praticamente dentro do crânio do oponente. Os cavalos também pode agora entrar nas cidades, tendo um papel importantíssimo na criação dos assassinatos, combates e sequências de fuga.

Assassin's Creed Brotherhood
Reprodução/Youtube
Assassin's Creed Brotherhood

Após encarar membros da família Borgia, e até eliminar alguns deles, Ezio e seus aliados da Ordem de Assassinos, se deparam cara a cara com Cesar no final do game, que é preso pelo exército do Papa Júlio II. Mesmo derrotado, Cesar consegue escapar de sua prisão e resolve atacar a cidade de Navarro, na Espanha.

Com a Apple recuperada, Ezio retorna à Itália, onde resolve esconder o artefato em um local chamado de Templo de Juno, com referência à deusa Juno. No presente, com base nas memórias do assassino, Desmond e seus aliados partem em busca do Templo de Juno, onde apenas Desmond se depara diretamente com a deusa, que diz que a humanidade é “inocente e ignorante” e logo em seguida começa a controlar o corpo de Desmond e o faz assassinar Lucy.

O motivo? Até então desconhecido, e é quando o barman entra em coma, no mesmo momento em que os créditos começam a subir na tela.

+ Nintendo, Sony e Microsoft: quem está vencendo esta geração?

Há ainda o modo multiplayer, onde os jogadores são templários em treinamento nas dependências da Abstergo. Eles usam o Animius 2.0, visto no início de “Assassin's Creed II”, para acessar memórias dos assassinos com o intuito de adquirir suas habilidades usando o Bleeding Effect.

Assassin's Creed Brotherhood: ruas de Roma
Divulgação/Ubisoft
Assassin's Creed Brotherhood: ruas de Roma

 Em Wanted, seis ou mais jogadores são introduzidos a um mapa onde devem procurar e assassinar uns aos outros. No entanto, as regras não permitem um clássico jogo estilo deathmatch, mas sim perseguições no estilo gato-e-rato. Cada jogador recebe um contrato, onde o objetivo é encontrar e matar o oponente sem ser visto ou morto pela própria presa. Se o jogador é visto pelo contrato, o oponente será avisado e irá fugir para sobreviver, dando início a sequências de perseguições formadas, principalmente, por movimentos de parkour. Um jogador recebe pontos a partir da construção de assassinatos variados. Vence aquele que obtiver o maior número de pontos.

Em Alliance, outra missão multiplayer de "Assassin's Creed: Brotherhood", oito jogadores são divididos em duas equipes e, trabalhando juntos, devem completar vários contratos sem serem mortos pelo grupo adversário. Obviamente, ganha o grupo que sobreviver.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.