Tamanho do texto

Game é lançamento desta terça-feira (23) para Windows, PS4 e Xbox One

Deus Ex: Mankind Divided
Reprodução/Youtube
Deus Ex: Mankind Divided

“Deus Ex: Mankind Divided” é o quarto jogo da franquia “Deus Ex”, da desenvolvedora Eidos Montreal e publicado pela Square Enix. Foi lançado mundialmente nesta terça-feira ( 23) para os consoles PS4, Xbox One e Microsoft Windows.

 O game “Deus Ex: Mankind Divided” é uma sequência direta de seu antecessor, “Deus Ex: Human Revolution”, e apresenta um futuro pós-apocalíptico e distopico, em que a sociedade está dividida entre aprimorados (que receberam tecnologia em forma de implantes desenhados para serem controlados pelos sinistros Illuminati) e não-aprimorados. De acordo com críticos do game, isso pode ser entendido como uma crítica à sociedade atual.

Adam Jensen, protagonista de Deus Ex: Mankind Divided
Reprodução/Youtube
Adam Jensen, protagonista de Deus Ex: Mankind Divided

Os Illuminati conseguiram, sempre com sucesso, esconder a verdade atrás de rumores e desinformação, enquanto que os melhorados são agora mais fortes que os humanos normais, na era que pode ser chamada de “apartheid mecânico”. Ocorrendo dois anos após o incidente de “Human Revolution”, “Deus Ex: Mankind Divided” apresenta uma sociedade dominada pela paranoia e pelo medo. Como jogador, as decisões que você toma tem muito mais peso que nos demais RPGs, afetando não só os diálogos, mas também o gameplay. É um jogo baseado em quatro pilares principais: ação furtiva, combate, hackeamentos e interações sociais, de acordo com o que cada situação pede.

No meio da guerra civil de Praga, em 2029, criada pela intensa divisão social, está o protagonista Adam Jensen, um aprimorado, que trabalha para a Interpol na captura de humanos aprimorados. Além disso, Jensen também trabalha como agente secreto para os Juggernaut, um grupo de especialistas em computadores que o ajuda na sua luta contra os Illuminati.

Assim o protagonista, armado com um novo arsenal de armas de aperfeiçomentos humanos de última geração, é forçado a operar em um mundo que tem um crescente desprezo por sua espécie. Ele deve escolher a abordagem correta, juntamente com em quem deve confiar, a fim de desvendar uma grande conspiração mundial planejada pela sociedade secreta inimiga.

Jogabilidade

Adam Jensen, de
Reprodução/Youtube
Adam Jensen, de "Deus Ex: Mankind Divided"

Assim como seus antecessores, Mankind Divided é jogado na primeira pessoa com um sistema de cobertura na terceira pessoa. Existem várias maneiras de completar uma missão, e as escolhas feitas pelo jogador dão diferentes resultados. É possível acabar o jogo sem ser detectado e sem ser necessário matar alguém, incluindo pular as batalhas dos chefes.

O hackeamento de dispositivos é parecido com seu antecessor, Human Revolution, porém agora é possível fazê-lo remotamente. A "conversation battle" também está de volta neste game. Existe um novo sistema de energia, que está constantemente em regeneração (diferentemente do jogo anterior, onde apenas a primeira bateria se regenerava), no entanto, o uso de algumas habilidades reduz permanentemente a quantidade total de energia disponível. A única forma de reverter este gasto permanente é utilizando o item "Biocell".

Apesar de ter várias armas de “Human Revolution”, muitas foram introduzidas para este jogo, incluindo uma lâmina de nano-cerâmica retrátil, um nano-escudo e um sistema de choque eléctrico de certo modo similar aos tasers, permitindo que Jensen marque os alvos e elimine seus inimigos de forma silenciosa. O Icarus Dash é uma das novas armas, que pode ser usada para eliminar adversários ou alcançar locais que de outra forma seriam inacessíveis.

Cenas do game
Reprodução/Youtube
Cenas do game "Deus Ex: Mankind Divided"

 Ao contrário do jogo anterior, “Mankind Divided” dá uma maior flexibilidade no uso das armas, permitindo que o jogador as modifique, alterando, por exemplo, o tipo de munição e as miras usadas.

Tal como os outros games da franquia, existem vários finais possíveis, mas ao contrário do seu antecessor em que o final era escolhido na última missão, em “Mankind Divided” todas as escolhas feitas pelo jogador ao longo da narrativa terão impacto no desfecho do game.

Recepção

Como forma de incentivo às pré-reservas de “Deus Ex: Mankind Divided”, a Eidos Montreal criou o programa “Augment Your Pre-Order”, em que quanto maior o numero de reservas feitas mundialmente, maior o número de bônus incluídos na "Edição Dia Um". O sistema causou bastante controvérsia devido aos níveis de prémios por camadas, da nº1  à nº 5. O sistema dava ao comprador a possibilidade de escolher o que queria como prêmio, semelhante ao método usado nas campanhas Kickstarter; quantas mais pré-reservas, mais itens as pessoas que reservam recebiam.

Devido à recepção negativa dos críticos e dos fãs, o sistema acabou por ser cancelado, e todo o conteúdo do programa foi incluído na "Edição Dia Um" ou para quem fez a reserva do jogo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.